quarta-feira, junho 22

Explosão de vida

E assim como se nada desejasse,
silenciosa e discreta, se fez viva.
Retorcida e em camadas saiu de sua capa protetora.

Agora, livre colocada a meio sol
aguarda momento exato
de secar coloridas asas e voar

Jóia da criação
Leva nossos mais profundos desejos e sonhos
Leva para longe mau agouro e gordos olhos

Retorna esperança e bons fluídos
Retorna esperança e alegria
Viva vida livre e em paz
Vá ! Seja feliz

Veja mais fotos da nossa mariposa AQUI

5 comentários:

Maria disse...

Ora, ora, quem diria? A borboleta virou mariposa. Coisa de bruxa! ^^

w h stutz disse...

E nem agosto é! Além dos aviões de carreira tem tanta coisa entre o céu e a terra ...

Clarice Villac disse...

Que ela seja muito feliz !

Seu poema para ela está lindo !

Que bom !

:~)

Maria Antônia Maciel disse...

Não vi a borboleta em vôo (até por aqui já roubaram as asas do voo). Será que se espetou n`algum armário ou fugiu da clausura casular? Quero crer que, num descuido proposital, a liberdade a tenha levado para os campos.Borboleta, rufle!

w h stutz disse...

Te garanto Maria que ela buscou o céu. Eu mesmo a coloquei em árvore para secar as asas e esperei derradeira voo.