quinta-feira, setembro 13

Alda

Como disse minha irmã Denise
Escrita da minha mãe poeta que voou ontem. Saudade sempre

24/10/1925 12/09/2012







Herança

Não trato meu texto como um tecido qualquer

os fios com os quais construo herdei de outras mulheres

antigas artesãs, irmãs de oficio

na lida dos dias enrolavam os fios

na calada das noites os teciam

adeptas da magia

silenciosas escreviam

escribas secretas

nutridas pelo vicio da poesia

tais como eu subsistiam




Alda Freire Soares de Sá

2 comentários:

Clarice Villac disse...

Sorrisos, Harmonia, Ternura, Serenidade.

w h stutz disse...

Partiu feliz, Clara Clarice. Viveu todos seus dias a seu modo, nunca aceitou ingerências, não importando com custo e consequências.